sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Cultura "a la Deyzirre"

Vivemos em um país de valores distorcidos, e que procura sempre o caminho mais facil, e esse, costuma ser o caminho mais tolo. Falar de cultura no Brasil é sempre algo interessante de se fazer, já que temos um povo tão rico de histórias, mitos, danças, entre outras coisas, e ao mesmo tempo sofremos de uma especie de desvalorização cultural que desespera qualquer um que acredita(ou sonha) com uma Revolução intelectual( só uma revolução nesses moldes pode realmente fazer historia, isso é só eu que eu penso, é claro!). Não pretendo entrar no debate do que é cultura porque isso é meio subjetivo, vamos encara-la como algo entrelaçado à educação. Todos devemos concordar que sem educação a coisa ja fica mais dificil do ja é. Estamos passando por esse infeliz processo em que as universidades particulares formam o puro profissional do ramo, que não tem consciencia politica ou civica, e não digam que universidade não é lugar pra isso, por que no proprio conceito de "universidade" estar claro que é sim lugar para isso, mas não há como negar que hoje o que se espera das universidades é que ao final de cada ano ela entregue um lote de robos prontos para fazer seus serviços, por um precinho camarada.

Vou sair das universidades, vou para as ruas mesmo, lugar onde as coisas acontecem, lugar onde não há muito intelectualidade e sim praticidade. Bem, musicalmente falando o que se ouve nas ruas não é nada interessante quando voce para pra ouvir, mas eu não consigo criticar coisas que não conheço( não só não consigo, como não devo, exatamente por não conhecer ). Eu consigo entender que o funk -por mais que eu não goste- tem sua logica e razão, ele é algo criado pelo povo para o povo, quando um país passa decadas, seculos, sem dar atenção para uma grande parcela da sua sociedade é natural que essa parcela comece a criar coisas que a satisfaça, é claro que não devemos exaltar o funk, porque ele é exatamente aquilo que ouvimos( um grande vazio), só que tambem devemos entender que gostar de funk não se trata de mal gosto, outras coisas muito mais serias estão envolvidas aí, uso o funk só pra ser especifico, a pobreza intelectual estar em todas as partes.

Pra finalizar eu vou falar de como esses textos são escritos, é simplesmente de uma hora pra outra, sem racionalizar muito, porque eu ja faço isso o tempo todo e tô meio de saco cheio dessas coisas, falar de cultura é algo que eu não costumo fazer, porque eu sou um sonhador e não gosto de debater sobre as burocracias de uma sociedade falida-e não estou falando só da sociedade brasileira- sou adepto dos que acreditam que não devemos entender o mundo e sim tranforma-lo, isso é claro dentro de um conceito em que nunca teremos todas as respostas, porquem simplesmente existem perguntas sem respostas. Bem, pessoalmente achei esse texto uma droga, mas vou posta-lo de qualquer maneira, e vou me usurpar do Raulzito mais uma vez colocando a tradução de "How could i know", só o trecho final, esse cara é uma grande referencia para as coisas que eu penso. É isso, e "NOS DESCULPAMOS PELO INCOVENIENTE!!"

"Mas, hey! como eu ia saber
Que meus olhos enxergavam no escuro?
Hey! não me pressione
Você não vê que eu não sou culpado?

Já faz tempo agora
Que o último revolucuinário se foi
Mas quem sabe se você não será o próximo
A dar continuidade à História?"

5 comentários:

Deyzi disse...

Bom... apesar de título (que eu particularmente axei uma droga), o texto ficou legal. Falar de cultura ñ é realmente uma coisa muito fácil, até pq tem um velho e sábio ditado popular que diz que "gosto ñ se dicute", e, como vc msm disse, ñ dá muito certo falar das coisas que nós ñ conhecemos.
Mas, como sempre, tudo nos levou a educação... quem sabe um dia ela ñ resolve dá as caras. **sonhando**

Fabio Cossanto disse...

o negocio aqui ta feio....
mas pra tudo se dar um jeito
nem que seja no remendo
mas eu hei de fazer isso mudar.

welida disse...

Não sei se tem muito a ver..mas lembrei agora da história dos roubos de grandes obras de arte em SP. Tamanha falta de personalidade só poderia mesmo culminar na vergonhosa classe de ‘ladrões’ sem cacife para roubar ouro.Eles roubaram dois quadros do Museu avaliados em R$ 100 milhões de reais...enfim..uma país que não valoriza sua propria cultura..vai la saber o que é "cultura"!!

welida disse...

A cultura do Brasil é uma ilusão. Não vale um vento saindo do vácuo. Nascido em cima do sangue dos índios (aqueles da época do descobrimento), e dos negros escravizados, o Brasil se tornou um jovem rebelde, violento e burro, disfarçando a tragédia de sua realidade com danças regionalizadas, com eventos bairristas, com artistas que o são apenas à base de contratos, com novelas irreais passando a imagem de um brasileiro que só existe na ficção da TV das 8h, e por fim, através de um show da realidade (reality show), mostrando a juventude e a beleza das pessoas que integram um reduzido grupo que representa, no máximo, um por cento das camadas sociais brasileiras. E a ‘burrice’ tanto avança que, nem mesmo uma linguagem própria para definir “chôu” o Brasil tem, e para dar créditos às suas funestas ações fantasiadas de alegria tem que importar uma palavra americana para expressar-se.Somos um adolescente dentro de um quarto mobiliado por seu pai e provido por sua mãe. Ele tem um excelente computador, mas só consegue usar o Orkut e o MSN; dentre os vários livros da estante revistas VIP e Play Boy; a página aberta do jornal no chão é a de “Entretenimento”. Ele realmente não liga para a bagunça que fez, ignora a sujeira empurrada para debaixo do tapete todos os dias, e passa suas melhores horas debruçado na janela olhando as garotas andarem na rua com seus cabelos loiros, peitos grandes, shortinhos brancos e botas vermelhas. Oh sim, elas são americanas.
PS; Li isso num site e exemplifica exatamente o q se discute por aqui!!

Batendo na Maquina disse...

ei, adorei esse texto...
se vc souber de quem é..avise
cultura é uma coisa complexa de mais da conta....porque afinal, estamos falando da cultura de que? de quem? e pra quem?...quando digo q acho despedicio dicutir cultura é porque penso que a cultura de um povo é a reproduçao de seus sentimentos, angustias e desejos, e ai acontece que tudo isso tambem é reproduçao..os sentimentos são reproduções....porque a angustia não necessariamente é do povo, e sim do sistema vigente, o desejo...é um desejo alugado. porque as pessas são condicionadas em acreditar no que deve ser acreditado.só é possivel fazer coisas que a sociedade diz ser possivel de seer feita...não consigo discutir uma cultura que não é autentica....ela é só um eco que fica pairando nas nossas cabeças...isso é claro, é como eu vejo isso!!